A partir do uso da metodologia de esforço e impacto, vamos separar aquilo que é mais valoroso e que demanda menos esforço de mobilização para que o trabalho seja realizado. (Foto: Divulgação)

MOVE Ceará define ações prioritárias de seu primeiro encontro macrorregional

Por: Ivig Freitas | Em:
Tags:

Na tarde da última sexta-feira, 10, a equipe do MOVE Ceará reuniu representações da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet) e da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SDE) para definir ações que serão abordadas no primeiro encontro regional promovido pelo projeto. Marcado para a próxima terça, 14, na Assembleia Legislativa do Ceará, o encontro irá discutir ações relativas à macrorregião da Grande Fortaleza.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


Durante a reunião, foram analisadas 216 propostas ligadas à macrorregião da Grande Fortaleza, segmentadas em sete setores prioritários revisitados pelo MOVE Ceará. Michelle Sobreira, assessora técnica na Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet) esteve presente. Dennes Landim, gerente do SENAI Maracanaú, representou o Sistema Fiec; Davi Sena representou a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SDE).

“A partir do uso da metodologia de esforço e impacto, vamos separar aquilo que é mais valoroso e que demanda menos esforço de mobilização para que o trabalho seja realizado. E assim vamos compondo uma agenda colaborativa”, explicou Mário Gurjão, diretor executivo do projeto, no início da reunião.

Três aspectos foram levados em consideração ao dimensionar o esforço de realização de cada proposta: o custo, o tempo a ser empregado e a capacidade de realização. O impacto, por sua vez, seria analisado a partir da importância econômica de cada proposta em relação à região na qual ela se insere e o seu alcance.

O objetivo dessa fase de mobilização de agentes transformadores, de acordo com Mário, é criar uma “agenda mais enxuta e mais prática”, que colabore com o interesse e a capacidade da Assembleia Legislativa em estabelecer o diálogo com as instituições do setor produtivo.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter