O Polo Industrial Químico de Guaiúba iniciará as operações em três meses e já conta com a construção de três empresas no local. A primeira delas que será aberta é a Intraplast. Inaugurado em junho de 2020, o terreno do espaço foi cedido pela Prefeitura de Guaiúba e contou com a soma de diversas frentes […]

Polo Industrial Químico de Guaiúba deve trazer R$ 100 milhões de investimentos para o Ceará

O Polo Industrial Químico de Guaiúba iniciará as operações em três meses e já conta com a construção de três empresas no local. A primeira delas que será aberta é a Intraplast. Inaugurado em junho de 2020, o terreno do espaço foi cedido pela Prefeitura de Guaiúba e contou com a soma de diversas frentes para concretizar o polo: a parceria entre a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), através do Sindicato dos Químicos do Ceará (Sindquímica); o Governo do Estado do Ceará com a Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece); e empresários interessados em investir no empreendimento. “Todos contribuíram para tornar realidade o Polo Industrial Químico de Guaiúba, que vai trazer um crescimento vertiginoso principalmente para a cidade”, confirma Paulo Gurgel, presidente do Sindquímica Ceará e membro da diretoria plena da Fiec.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


O projeto, inclusive, recebeu investimentos de R$ 10 milhões do Governo do Ceará por meio da Adece e da Secretaria da Infraestrutura do Estado do Ceará (Seinfra). “Fomentar a indústria: esse é o nosso papel. Temos que criar as condições mínimas, básicas para que a indústria venha e depois possa gerar novos negócios”, discorre Eduardo Neves, presidente da Adece.

Expectativas de crescimento

As expectativas para o Polo Industrial Químico de Guaiúba são altas. Com previsão de R$ 100 milhões de investimentos para o Ceará e até dois mil empregos diretos gerados, as 28 empresas aguardadas chegam com a promessa de grande crescimento econômico para o Estado.

“O Ceará vai receber no Polo Químico muitas indústrias que até então funcionavam em outras unidades da Federação. Vem gente de São Paulo investir aqui, porque aqui é o mercado, o grande mercado consumidor. E o Ceará é praticamente o centro do Nordeste. Ou seja, essas empresas vão ficar mais perto do centros consumidores, que vão daqui até Manaus, que vão daqui até a Bahia, passando por Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte. Então, nós estamos no centro de tudo isso e o Ceará é um ponto estratégico para a instalação dessas indústrias”

Paulo Gurgel, presidente do Sindquímica Ceará

O presidente do Sindquímica Ceará Paulo Gurgel quer abrir ainda diálogo com prefeitos de cidades da região metropolitana de Fortaleza e ainda de outras regiões do Estado, como o Cariri. “Quando os novos prefeitos forem assumindo, vamos começar a trabalhar para ver se a gente consegue viabilizar mais um ou dois polos no Ceará”, comenta.

A efetivação do polo também destaca uma maior sinergia do setor químico, segundo Eduardo Neves. Com empresas de pequeno, médio e grande porte reunidas em um único lugar, as indústrias poderão interagir, propiciando maior crescimento. Para Eduardo, “o polo vai propiciar à indústria química tradicional trabalhar junto com outros segmentos e poder inovar, poder crescer, poder lançar novos produtos no mercado. E é isso o que a gente imagina que aconteça com essas sinergias das empresas, que é a natureza de um polo”.

Além disso, Eduardo destaca também a importância desse crescimento para Guaiúba. “Apesar do Brasil ter passado esses anos de crise, a gente conseguir viabilizar esse projeto é uma satisfação muito grande. É um projeto que vai mudar completamente a realidade do município”, conclui.

Cenário de pandemia

O contexto da pandemia provocada pelo novo coronavírus tem trazido muitos desafios para a retomada da economia. Mas Eduardo Neves acredita que, dentro da realidade do Polo Industrial Químico de Guaiúba, esse cenário é também uma oportunidade de criar inovação. “A pandemia trouxe questões que podem agregar coisas. A questão de higiene, de limpeza, por exemplo, foi muito mais acentuada na pandemia e é o que veio para ficar. Então, a tendência de maior higienização pessoal é o que vai propiciar a esse segmento pensar em produtos novos, com maior valor agregado, produtos com inovação”, explica.

De acordo com Paulo Gurgel, presidente do Sindiquímica Ceará, a retomada da economia já começou a chegar e deve continuar no primeiro semestre de 2021, alcançando uma retomada ainda mais forte no segundo semestre. “Para as empresas instaladas no Polo de Guaiúba, nós acreditamos que todas vão se dar muito bem porque elas possuem produtos que estão em alta. Nós acreditamos em uma retomada, agora em 2021, e acreditamos também num total desenvolvimento o mais rápido possível do Polo de Guaiúba”, finaliza.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter