EnglishPortuguese
anuncio-2

Por: Áquila Leite - Ascom Complexo do Pecém

23/09/2020, 16:39

(ATUALIZADO: 25/09/2020, 12:01)

ZPE Ceará completa 10 anos de criação e é atrativo para investimentos

  • link
  • tweet
  • facebook
  • whats
anuncio-1
O Estado tem a única Zona de Processamento de Exportação autorizada a operar em território brasileiro

Localizada em posição geográfica privilegiada perante regiões como Estados Unidos, Europa e norte da África, a Companhia Administradora da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Ceará, empresa subsidiária do Complexo do Pecém, completa, nesta terça-feira (22), dez anos de sua concepção. Criada através da Lei Estadual nº 14.794/2010, a entidade tem se consolidado, no decorrer dos anos, como peça fundamental para o desenvolvimento do Estado.

Após ser concebida em 22 de setembro de 2010, a ZPE Ceará levou aproximadamente três anos para efetivamente iniciar suas atividades, o que veio a acontecer em 30 de agosto de 2013. Tal tempo de planejamento foi fundamental para que a área se estruturasse adequadamente para se tornar, atualmente, a única Zona de Processamento de Exportação autorizada a operar em território brasileiro.

“É gratificante fazer parte deste grande projeto do Governo do Ceará e presenciar todas as conquistas. Hoje, a ZPE Ceará é referência no Brasil e é responsável, juntamente com os outros pilares do Complexo do Pecém (área industrial e porto), pelo destaque internacional que o Estado está alcançando”, destaca o presidente da empresa, Mário Lima.

Ao longo do ano passado, a ZPE cearense foi responsável por movimentar 12,5 milhões de toneladas em cargas.

Entre as principais mercadorias que passam pela ZPE Ceará estão minério de ferro, carvão mineral, placas de aço, gases industriais e fundentes. Até julho deste ano, mesmo diante do impacto econômico causado pela pandemia da Covid-19, foram registradas cerca de 6,5 milhões de toneladas movimentadas.

Início das operações e evolução

Já em 2013, começaram a entrar pelos gates da ZPE Ceará as estruturas utilizadas para a construção da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), que foi orçada em US$ 5,4 bilhões, o maior investimento do setor privado na história do Ceará. “Durante o pico da obra, mais de 15 mil empregos foram gerados pela empresa, beneficiando várias famílias, principalmente dos municípios de São Gonçalo do Amarante e Caucaia”, relembra Mário Lima.

No período da construção da siderúrgica, todo o material utilizado chegou ao Ceará através do Porto do Pecém, e é por lá, também, que é escoada a maior parte da produção das empresas que estão na ZPE, o que ressalta a importância da integração entre as áreas que compõem o Complexo do Pecém.

“A ZPE Ceará em conjunto com o Porto do Pecém são engrenagens fundamentais para o sucesso do Complexo do Pecém. A integração com o nosso terminal portuário permite o recebimento de matéria-prima e a consequente transformação em produto para exportação. Todo esse processo resulta em movimentação, em números positivos que contribuem diretamente para o desenvolvimento econômico e social do Estado do Ceará”, enfatiza Danilo Serpa – Presidente do Complexo do Pecém.

Em 2016, a movimentação de material produtivo através da ZPE Ceará foi iniciada e a CSP, em julho, produziu oficialmente sua primeira placa de aço. Em agosto daquele mesmo ano, através do Porto do Pecém, foi realizada a primeira exportação de placas de aço produzidas pela siderúrgica localizada na ZPE. Na ocasião, 20 mil toneladas foram embarcadas no navio Emerald Bay, rumo à Itália e Turquia.

“Vimos o grande sonho se tornar realidade. Fechamos o primeiro ano de operação com mais de 5 milhões de toneladas movimentadas, quatro empresas operando e muitos planos para colocar em prática. A ZPE Ceará passou a contribuir ainda mais para a mudança da história da economia do Estado”, pontua o Diretor de Governança da empresa, Roberto de Castro.

Na época, existiam quatro empresas na ZPE Ceará: CSP, Vale Pecém, White Martins e Phoenix. Atualmente, só a Vale não existe mais oficialmente, posto que foi incorporada à siderúrgica, na qual compõe uma joint-venture com as sul-coreanas Dongkuk Steel e Posco. Por estarem em uma zona incentivada, todas as empresas operam com benefícios tributários, cambiais e administrativos.

Destaque nacional

Exemplo para outros estados brasileiros, desde o processo de criação à gestão de uma Zona de Livre Comércio, a ZPE Ceará também se destaca quando se fala em tecnologia da informação. Visando atender às exigências de controle aduaneiro e do benefício fiscal, além de ofertar um serviço eficaz e produtivo, a empresa criou seu próprio sistema de controle de cargas, veículos e pessoas, chamado SICA. Ao todo, mais de 40 milhões de registros já foram realizados.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


Além disso, o acesso aos gates principais da empresa é feito com identificação e verificação de dados através de smartphones com leitura de QR-Code. “Não existe mais manuseio de papéis entre a equipe da ZPE e os motoristas. Tudo é feito online, transformando a operação mais rápida e segura para os nossos parceiros”, destaca a diretora de operações da empresa, Andréa Freitas.

Em seu curto período de existência, a ZPE Ceará também já foi reconhecida internacionalmente como umas das melhores zonas de livre comércio do mundo, através do concurso anual “fDi´s Free Zones of The Year”, realizado pela revista fDi Magazine, vinculada ao renomado periódico britânico Financial Times. Somente entre 2016 e 2018, a empresa foi mencionada em 11 categorias.

Expansão

Em junho deste ano, iniciaram-se, ainda, as obras de ampliação da ZPE Ceará. Chamada de Setor 2, a nova área ficará localizada a aproximadamente quatro quilômetros da área de despacho aduaneiro da ZPE, com uma área total de 137 hectares, focada na atração de empreendimentos de médio e pequeno porte.

Previsto para o primeiro semestre de 2021, o primeiro módulo da ampliação da ZPE Ceará terá 23 hectares, com investimento aproximado de R$ 25 milhões. A área será dividida em lotes de variados tamanhos e contará com o mesmo processo operacional do Setor 1, levando eficiência e segurança às empresas.

“Esta década é o início de uma longa história de mudanças na cultura exportadora do Estado. Neste cenário, a ZPE Ceará, apesar de ser uma empresa nova, já representa uma referência nacional de desenvolvimento econômico e competitividade internacional”, finaliza Andréa Freitas.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate / Content translation is performed automatically by Gtranslate

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Receba conteúdo e informações diretamente
no seu e-mail

Preencha o email corretamente Email enviado com sucesso!