O mercado de criptomoedas latinoamericano atrai novos investimentos, especialmente no Brasil, que recebeu a maior parte da quantia. (Foto: Envato Elements)

Mercado de criptomoedas cresce na América Latina

Por: Ívina Sales | Em:
Tags:

Superando os R$ 3 bilhões, as criptomoedas latinoamericanas atraem novos investimentos, especialmente no Brasil, que recebeu a maior parte da quantia.

Os investimentos de venture capital no mercado criptoblockchain na América Latina alcançaram R$ 3,3 bilhões em 2021, montante quase 10 vezes superior ao que foi investido no ano anterior, de acordo com um relatório publicado pela Associação para o Investimento de Capital Privado na América Latina (LAVCA). Em 2020, as startups latinoamericanas do segmento haviam recebido somente R$ 353,6 milhões.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


A maior parte das aplicações foi absorvida por companhias de criptomoedas e plataformas de transação para clientes do varejo, que ao todo receberam o montante de US$ 3,1 bilhões.

O Grupo 2TM, que controla o Mercado Bitcoin, foi a instituição brasileira que lucrou os maiores aportes dos fundos de venture capital, se transformando no primeiro unicórnio da indústria local de criptomoedas. Em três lances de investimento, a controladora da maior corretora nacional do setor recebeu R$ 11,4 bilhões.

Mercado de criptomoedas em 2021

Anteriormente, em maio de 2021, a Bitso, uma corretora do México que sustenta operações na Argentina e na Colômbia, levantara US$ 250 milhões, tornando-se o primeiro unicórnio cripto da América Latina. Três empresas argentinas do setor também receberam subsídios, impulsionados pelo desenvolvimento da adoção e de suas bases de consumidores ao longo do ano passado. Em agosto de 2021, a Lemon Cash e a Buenbit captaram respectivamente R$ 83,2 milhões e R$ 57,2 milhões. Já em setembro, a Ripio, corretora que também atua no Brasil, faturou R$ 260 milhões.

O Brasil foi o país da região que atraiu a maior quantidade de aplicações: R$ 39 bilhões repartidos entre 419 aportes, o que representa um aumento de 215% em relação ao ano anterior. Na sequência, vieram México (R$ 18,2 bilhões), Colômbia (R$ 7,8 bilhões) e Argentina (R$ 6,2 bilhões).

Regulamentação das criptomoedas no Brasil

O Projeto de Lei 2303/15, que passou a tramitar como PL 4401/2021, de autoria do Deputado Federal Aureo Ribeiro (SD-RJ) e que determina normas e leis para o mercado brasileiro de criptomoedas voltou a ser debatido no Plenário da Câmara dos Deputados na última segunda-feira (20).

Após aprovação inicial na Câmara e com as devidas alterações feitas pelo Senado, o PL, ao retornar para a Câmara passou por novas modificações para adequação de pontos que os deputados e instituições ligadas ao Governo Federal consideram importantes.

Caso seja aprovado nessa segunda etapa pelo Plenário da Câmara, o projeto será então encaminhado para sanção do presidente da república Jair Bolsonaro e posteriormente será transformado em lei com um período de adaptação para as corretoras do mercado de criptomoedas se adequarem às novas diretrizes.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter