O Brasil precisa não apenas de leis punitivas, mas de políticas ambientais que procurem mesclar incentivos fiscais e tributários que atraiam investimentos. (Foto: Freepik)

Uso de tecnologia e inovação contribuem para desenvolvimento sustentável de empresas brasileiras

Por: Raul Galhardi | Em:
Tags:, ,

A sustentabilidade já faz parte do vocabulário e das ações das empresas que, diante de um público cada vez mais atento às questões ambientais, necessitam se adaptar para atender esse consumidor. Companhias que conseguem elaborar planejamentos estratégicos unificando preocupação ambiental com social têm conquistado mais espaço e destaque no mercado.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


Para atingir essa meta, parcerias entre iniciativa privada e poder público são exemplos de boas práticas que podem ser adotadas. “Os governos têm algumas funções estruturais no desenvolvimento e na prosperidade. Os principais são oferta de garantias institucionais (segurança, educação, saúde, etc.), infraestrutura, planejamento estratégico, incentivos e limites. Em países com a economia liberal isso significa que o Estado planeja e abre oportunidades para as empresas investirem em uma certa direção”, afirma Dal Marcondes, presidente da RBJA (Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental) e analista de sustentabilidade do Sebrae.

Para Albert Gradvohl, professor de Gestão Econômica Ambiental da Unifor e mestre em Administração de Empresas, o Brasil precisa não apenas de leis punitivas, mas de políticas ambientais que procurem mesclar incentivos fiscais e tributários que atraiam investimentos. “O momento atual é extremamente oportuno, pois o setor empresarial já vem sendo estimulado pelo conceito ESG (Environmental, Social and Governance), sobretudo pelo ISE (índice de sustentabilidade empresarial) da Bovespa, valorando melhores práticas de sustentabilidade”.

Com o intuito de oferecer exemplos concretos de como a atividade econômica pode ser aliada do desenvolvimento sustentável, a TrendsCE entrevistou representantes de organizações públicas e privadas e de projetos de parcerias entre os dois setores do Ceará e de fora do estado que buscam aplicar na prática a sustentabilidade por meio do uso de tecnologia e inovação.

Polo moveleiro do Ceará

Em 2010, a partir de uma demanda do polo moveleiro da cidade de Marco, oitavo maior do país e que conta com mais de 30 indústrias, a Embrapa deu início na região a um trabalho de pesquisa e plantio de diferentes espécies vegetais, nativas e exóticas, com a finalidade de abastecer a atividade econômica. O projeto foi motivado pela alta demanda do setor por matéria-prima (cerca de 1500m³ de madeira por mês), que necessitava buscá-la na região amazônica ou no Sudeste.

“É um projeto embrionário e inovador que servirá para o polo moveleiro assim como para toda a sociedade, sendo possível utilizá-lo para o reflorestamento, a recuperação de áreas degradadas, a pecuária (a vegetação serve para dar conforto térmico ao gado) e a compensação ambiental da Construção Civil, além da produção alimentícia, já que enquanto as árvores não se desenvolvem, outras culturas, como o milho, podem ser plantadas”, afirma Diva Correia, coordenadora do projeto e pesquisadora da Embrapa Agroindústria Tropical.

Desde 2017, teve início mais duas etapas da iniciativa. A primeira delas consiste em selecionar materiais genéticos de espécies nativas e exóticas e clones de eucaliptos resistentes ao déficit hídrico para definir parâmetros técnicos para a produção. A ideia é depois expandir essa produção para outros locais do Ceará como Icapuí, Pacajus e Iguatu, contemplando tanto regiões litorâneas quanto do sertão cearense.

A outra procura estabelecer uma rede de inovação florestal com foco no desenvolvimento de tecnologias silviculturais para as cadeias produtivas de madeira serrada e energia, visando à expansão do setor florestal no Ceará.

“A domesticação de plantas nativas, incluindo aquelas já conhecidas e utilizadas por populações locais ou regionais, porém sem penetração no mercado nacional ou internacional, é a grande oportunidade que se oferece aos países ricos em recursos genéticos como o Brasil”, diz Correia.

Atualmente, espécies de eucalipto já estão sendo produzidas pelo Grupo Jacauna no entorno da sua fábrica na região em uma área de dois mil hectares como resultado da pesquisa já aplicada. A meta é chegar até cinco mil.

A iniciativa reuniu a Embrapa Agroindústria Tropical; Embrapa Florestas; Sindicato das Indústrias do Mobiliário no Estado do Ceará; DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas); Instituto de Desenvolvimento Industrial do Ceará; e Adece (Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará). Ela teve financiamento do BNB (Banco do Nordeste do Brasil) até 2016 e atualmente os recursos são oriundos da Adece, da Embrapa e da Sedet (Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Ceará).

Fazendas verticais

A agricultura vertical é um mercado que irá movimentar US$ 9,6 bilhões até 2025, de acordo com relatório da consultoria americana Grand View Research. Em um galpão de 700m², a Pink Farms, primeira fazenda vertical urbana de São Paulo, produz cerca de três toneladas de alimentos por mês.

Criada em 2017, ela possui este nome porque utiliza lâmpadas de led azuis e vermelhas, que combinadas geram a cor rosa, para melhorar a sua produção. “As plantas absorvem a luz pelas suas células de clorofila e, dentro do espectro da luz visível, são os comprimentos de onda da cor azul e vermelha os absorvidos. O resto das cores elas não absorvem ou aproveitam muito pouco. As plantas são verdes, em sua maioria, porque não absorvem a cor verde e sim a refletem”, esclarece Luana Borges, engenheira agrônoma da Pink Farms.

A verticalização e o uso da luz rosa permitem à empresa aumentar a sua produtividade em até 170 vezes por metro quadrado, economizando até 95% de água e 60% de fertilizantes se comparada a sua produção com uma equivalente no campo. O processo de cultivo da empresa é livre de agrotóxicos e pensado para ter o mínimo de desperdício.

Como a fazenda se localiza na capital paulista e seus clientes estão na mesma cidade, há uma redução do deslocamento, que resulta em uma diminuição do impacto ambiental gerado pelo transporte das mercadorias.

“Acreditamos que a tecnologia salvará o planeta. Estima-se que em 2050 teremos dez bilhões de pessoas no mundo, o que significa que precisaremos produzir 70% mais alimentos num planeta que já perdeu – por erosão e contaminação – 25% das terras aráveis nos últimos 40 anos. Além disso, a demanda por água deve crescer 55% entre 2000 e 2050. Ou seja: não dá para continuar fazendo a mesma coisa. É necessário inovar. Por isso, empresas e pessoas precisam ficar atentas às inovações tecnológicas que minimizem esses impactos”, defende Borges. 


Sustentabilidade na Construção Civil

De acordo com Marcondes, a principal questão para a implantação de tecnologias mais sustentáveis é o investimento na substituição de máquinas poluentes por equipamentos mais modernos e menos poluentes. “Isso só é feito se houver pressão externa de leis ou dos consumidores ou se a contabilidade mostrar que a troca pode ser vantajosa na redução de custos e aumento dos lucros. Aos poucos isso acontece, também, pela chegada de novos atores, como tecnologias digitais, startups ou concorrentes mais competitivos. É um processo evolutivo do mercado”. 

Um exemplo de empresa que está realizando essa transformação é a Saint-Gobain Abrasivos, empresa líder mundial na fabricação de materiais abrasivos e em soluções para construções sustentáveis, que criou uma série de projetos de sustentabilidade ambiental em suas fábricas e veículos. Um deles é o que estabelece a substituição da frota de carros da companhia, utilizada em entregas de produtos da marca Norton Abrasivos, por modelos elétricos, o que reduziria em 98% a emissão de poluentes, aumentando a eficiência energética, produtividade e reduzindo ruídos.

Outra ação nesse sentido determina que a frota de empilhadeiras elétricas utilizada em movimentações de cargas internas, na fábrica da Norton, em Guarulhos, seja equipada com baterias à lítio, o que reduz a emissão de poluentes e acaba com a necessidade de baterias reservas, aumentando a segurança dos operadores. Além disso, uma outra fábrica da empresa, a Politape, no Rio Grande do Sul, destinará os resíduos classe I (perigosos) e classe II (não perigosos, de menor impacto ambiental) produzidos por ela ao coprocessamento, acabando com a necessidade de enviá-los ao aterro sanitário.

“O grupo tem uma responsabilidade especial de incentivar a construção sustentável em face de questões como a urbanização acelerada, o crescimento da população mundial, a diminuição dos recursos naturais e as mudanças climáticas. Desenvolvemos soluções ecologicamente inovadoras com o objetivo de reduzir o impacto ambiental, considerando todas as fases do ciclo de vida, tanto em projetos de construção quanto de reformas”, afirma Stephane Artaud, vice-presidente da Saint-Gobain Abrasivos América do Sul.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter