O consumidor está cada vez mais consciente desse problema. Foi-se o tempo em que era necessário escolher entre ter lucro ou ser sustentável. Hoje em dia, cuidar do meio ambiente, ter responsabilidade social e adotar melhores práticas de governança são, na verdade, fatores que ajudam no balanço das empresas. (Foto: Freepik)

Moda acessível e inovadora para um futuro mais sustentável

Por: Sara Café | Em:
Tags:

Nos últimos 15 anos, a produção de roupas quase dobrou e o consumidor médio comprou 60% mais roupas em 2014 do que no ano de 2020, mas manteve cada peça em uso por metade do tempo. De acordo com a Fundação Ellen MacArthur, houve um aumento impulsionado pelo crescimento da classe média em todo o mundo e pela alta das vendas per capita nos países desenvolvidos. O crescimento estimado de 400% no PIB global até 2050 implicará uma demanda ainda maior por vestuário.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


Logo, o impacto da fabricação é enorme: segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), a indústria da moda é responsável por entre 8% e 10% das emissões de gás carbônico e é a segunda indústria que mais consome água, gerando cerca de 20% de todo o esgoto e água despejados no ambiente.

Além disso, outros desafios que o setor enfrenta é a utilização de mão de obra suscetível a violações de direitos humanos, a utilização de material ilegal, de energia não renovável e o aumento nos padrões de consumo, o que pode elevar as emissões de carbono para cerca de 2,7 bilhões de toneladas métricas por ano até 2030.

Maria Rafaela Oliveira, Mestre em Administração pela Universidade Federal do Ceará (UFC), pesquisa desde a graduação sobre o tema. Ela defendeu a dissertação “Avaliação de índices de responsabilidade social corporativa e conduta socialmente (ir)responsável: um estudo na empresa brasileira” e explica como os debates sobre responsabilidade corporativa impactam o consumidor.

“Felizmente, o consumidor está cada vez mais consciente desse problema. Foi-se o tempo em que era necessário escolher entre ter lucro ou ser sustentável. Hoje em dia, cuidar do meio ambiente, ter responsabilidade social e adotar melhores práticas de governança são, na verdade, fatores que ajudam no balanço das empresas”, afirma Maria Rafaela.

As mudanças comportamentais, a transformação digital e outros acordos globais sobre padrões de orientação, estão promovendo uma mudança de paradigma em toda a indústria da moda. Apontada como grande novidade e tendência do mercado pós-Covid-19, as questões ESG agora são uma parte cada vez mais vital do modelo de negócios das empresas.

O que é ESG?

A sigla ESG vem do inglês que significa Environmental, Social and Governance (ambiental, social e governança) e apareceu pela primeira vez em um relatório de 2005, intitulado “Who Cares Wins” (Ganha quem se importa).

Na prática, o ESG é uma forma de mensurar as ações ambientais, sociais e de governança de uma empresa, com métricas que mostram o quanto um negócio está buscando formas de minimizar seus impactos ambientais, construir um mundo mais justo e responsável para as pessoas em seu entorno, mantendo os melhores processos de gestão com foco em resultados.

Maria Rafaela também explica que a sigla aborda a atividade da empresa e reforça a importância da governança. “É necessária uma análise dos três fatores para determinar quais são os riscos ou retornos esperados dos investimentos em determinada companhia. A partir daí as agências mensuram o desempenho das empresas de acordo com o ESG e fazem um ranking para nortear investidores”, completa a mestra.

Boas práticas na moda

Produzir peças bonitas, que acompanhem as tendências do momento e que tenham boa qualidade não é mais o suficiente para as grandes varejistas que disputam a preferência do consumidor. Mais que isso, o desafio da indústria têxtil é praticar a moda sustentável.

A confecção de roupas seguindo os critérios ESG cada dia mais tem se tornado uma exigência dos consumidores modernos, que estão de olho nos impactos que as grandes marcas do setor da moda têm sobre o meio ambiente, e utilizam de seu poder de compra e decisão para cobrar das organizações do ramo mais responsabilidade e transparência no processo.

As grandes varejistas do têxtil já vêm incluindo a moda sustentável e inovadora em suas pautas: em novembro de 2021, a Malwee anunciou o lançamento do Malwee Transforma, laboratório de inovação e sustentabilidade na moda que vai incubar projetos de startups que tragam soluções para minimizar o impacto ambiental do setor.

A Amaro se tornou uma empresa 100% carbono negativo, entre outras iniciativas. A Renner criou o Selo Re (respeitar, repensar, reciclar, ressignificar e refletir) que simboliza o jeito que a marca pensa e pratica a sustentabilidade. A C&A vem reforçando seu compromisso nas questões ambientais com a iniciativa #VistaAMudança e o lançamento anual de Relatórios de Sustentabilidade, com o objetivo de contar os compromissos e resultados alcançados em sua trajetória.

Em Fortaleza, as marcas autorais e pequenos empreendimentos também já seguem a nova tendência ao trazer espaços como bazar e brechós, que repensam o universo da moda sob a ótica da sustentabilidade e do preço acessível. Já são muitas as opções com estilos e preços diferenciados, como a Pitéu Store “é um local de maior custo-benefício para atender as necessidades dos diferentes públicos, pois a moda presente nos brechós é atemporal”, afirma Charllyane Teles, dona da marca.

No ramo há seis anos, a empreendedora Stefani Gurgel Muniz, dona do Bazar Online Fortaleza, dedica seu dia inteiro a função: “a rotina é intensa. Faço curadoria, cadastro, meço, higienizo peças, engomo looks, tiro a foto, posto nas redes, faço stories e respondo os meus clientes. Hoje o Bazar já soma mais de 28 mil seguidores e conta com espaço físico no bairro Aldeota”, afirma.

Em outras palavras, negócios que se comprometem com as melhores práticas de gestão acabam tendo uma operação mais sustentável em diversos aspectos, incluindo o econômico e a gestão de riscos e, como consequência, geram resultados melhores ao longo do tempo.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter