Dados da entidade, coletados em parceria com o IBGE/SECEX/ME e IEMI, mostram um aumento de 23,7% no volume produzido nas fábricas de móveis de janeiro a junho. (Foto: Freepik)

Indústria de móveis retoma caminho de crescimento

Por: Gladis Berlato | Em:
Tags:

A exemplo das diversas cadeias de negócios no Brasil e no mundo, o setor moveleiro nacional também registrou uma queda durante a primeira onda da pandemia (março a junho/20), seguida por uma recuperação histórica a partir do segundo semestre do ano passado, fazendo com que a produção de móveis e colchões fechasse 2020 com declínio de apenas 3,9% em relação a 2019. Basta saber que, somente em abril de 2020, o tombo foi de 63,8% se comparado a igual mês em 2019. “Nesse cenário de perdas abruptas, a escalada de recuperação não só restabeleceu quase todo o volume perdido na primeira metade do ano, como também colocou o setor moveleiro de volta aos rumos do desenvolvimento”, analisa Cândida Cervieri, diretora executiva da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel).


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


O primeiro semestre deste ano permitiu um certo alívio aos fabricantes. Dados da entidade, coletados em parceria com o IBGE/SECEX/ME e IEMI, mostram um aumento de 23,7% no volume produzido nas fábricas de móveis de janeiro a junho. Em receita, o crescimento foi de 28,2% e a expectativa para o fechamento de 2021 é de avançar ao menos 8,5% em volume e 3,6% em receita.

Entre os motivos da retomada, não se pode ignorar o home office, embora o teletrabalho já se apresentasse como uma tendência antes mesmo da pandemia.

“O isolamento social ressignificou não só o jeito de trabalhar, mas também os espaços domésticos que exigiram reformas e adaptações”

Cândida Cervieri, diretora executiva da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel)

Vale ressaltar que, mesmo em um cenário futuro de retorno à normalidade, pesquisa da Cushman & Wakefield revelou que 74% das empresas no Brasil pretendem adotar o home office de forma definitiva em algumas etapas de suas rotinas organizacionais, o que deverá contribuir para manter a venda de móveis ao longo deste ano.  

Balança comercial

Assim como no mercado interno, os negócios internacionais também tiveram forte reação. As exportações avançaram nada menos do que 72,1% no primeiro semestre deste ano e 41,3% nos últimos 12 meses, conforme estudo o “Monitoramento das Exportações” desenvolvido pelo IEMI para a ABIMÓVEL e a Apex-Brasil. O avanço compensou as perdas sofridas pelo estreitamento das restrições sanitárias em todo o mundo, tendo projeção de crescimento de 40% ao ano. “A performance confirma a vocação exportadora e a competitividade da indústria de móveis nacional no mercado global”, diz a diretora da Abimóvel.  

Na ponta das compras externas, o Brasil importou cerca de US$ 20,9 milhões em móveis e colchões em maio de 2021, o que representa aumento de 34,3% na comparação com abril, quando houve recuo de 25,3% nas importações. Em junho, as importações voltaram a crescer em 4,2%, totalizando US$ 21,7 milhões em negócios. A participação dos produtos importados no consumo interno nacional foi de 3,7% em maio e 3,1% em abril.

Móveis no Ceará

No Ceará, o cenário é de otimismo para os mais de 200 fabricantes instalados nos polos de Fortaleza (marcenaria e pré-moldados), Jaguaribe, Iguatu (que fornecem para os magazines) e Marco, voltado a móveis de decoração, de maior valor agregado, que concentra 55 empresas e que exporta para os EUA e Angola.

O presidente do Sindicato das Indústrias de Móveis do Ceará, Geraldo Bastos Osterno Jr. diz que há um enorme potencial a ser explorado. Atualmente, a indústria local atende apenas de 20 a 25% da demanda cearense. O restante é abastecido pelo Sul e Sudeste. “A competição é acirrada, mas saudável porque exige permanente aperfeiçoamento”, ilustra ele, animado com a perspectiva de contínua recuperação.

“Aprendemos com a pandemia e nos adaptamos à nova situação”, diz ele lembrando que o mercado interno está aquecido e o câmbio favorecido estimula as exportações. Em média, o setor, que chegou a entregar num prazo de 60 dias durante o auge da pandemia, agora  convive com entregas de três semanas.

A Osterno Móveis, de sua propriedade, por exemplo, fornecedora de móveis para hotéis, restaurantes e shopping centers que compram de maneira programada, está com vendas garantidas para 90 e 120 dias.

O Brasil em números

O futuro parece promissor para esta que é uma atividade estratégica e intensiva de mão-de-obra em um país que convive com 14 milhões de desempregados. A produção moveleira no Brasil vem descentralizando-se e crescendo na direção do Nordeste, graças a fatores como o aumento do poder de compra do consumidor nordestino e à ampliação tecnológica e de infraestrutura da região.

“Tal movimento vem atraindo cada vez mais investimentos e olhares para os estados do Nordeste, que vêm recebendo novas fábricas, centros de distribuição e se abrindo a projetos de incremento à competitividade, sustentabilidade e ao design integrado à indústria com foco no mercado nacional e internacional”, analisa a diretora da Abimóvel.

O design tem sido um grande desafio para o setor. Bom exemplo vem da Paraíba. Por meio do programa de Design Integrado à Indústria, promovido pela Abimóvel e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações (APEX), a Officina Móveis foi selecionada e está criando novos produtos de valor agregado para mostrar fora do País. Para isso, fez parceria com o internacionalmente reconhecido designer brasiliense Marcelo Bilac para lançar suas coleções diferenciadas.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter