Indústria cearense cresceu entre janeiro e março deste ano, segundo PIB trimestral. A tendência é de avanço para os próximos meses. Especialistas apontam, por exemplo, a política fiscal via auxílio emergencial e a recomposição do estoque da construção civil como impulsionadores. (Foto: Freepik).

Indústria cresce mais de 7% e impulsiona desempenho do PIB do Ceará

Por: Maria Babini | Em:
Tags:,

O setor industrial cearense cresceu 7,17% entre os meses de janeiro e março deste ano, em relação ao mesmo período de 2020, conforme o PIB trimestral divulgado recentemente pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece). A especialista de Inteligência Competitiva do Observatório da Indústria da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Laís Veloso, aponta que esse resultado foi obtido em decorrência de um somatório de fatores.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


“Em 2020, nos meses entre março e maio, a indústria foi um dos setores mais impactados pela pandemia, visto que teve parte de suas operações paralisadas em resposta às medidas sanitárias do Governo do Estado. Para os primeiros meses do ano de 2021, apesar da segunda onda pandêmica, o setor teve as suas operações menos impactadas, uma vez que não foi incluído nas novas medidas restritivas de funcionamento”, avalia.

Ela destaca também que a política fiscal via auxílio emergencial, que contribuiu para um aumento no consumo de alguns setores, como construção, alimentos e bebidas, foi outro aspecto que influenciou esse crescimento.

Nicolino Trompieri, analista de Políticas Públicas do Ipece e professor de Economia da Universidade de Fortaleza (Unifor), reforça a visão de que a construção civil, por exemplo, já vinha registrando boas taxas de crescimento desde o terceiro trimestre de 2020, principalmente pela mudança de comportamento das famílias durante a pandemia. Ele comenta ainda que o crescimento da indústria pode ser explicado também pela recomposição do estoque.

Impactos da vacinação

Laís Veloso aponta que a indústria cearense vem demonstrando grande capacidade de aprendizado e resiliência ao longo da pandemia. E agora, a partir do cenário que vem se desenhando com a retomada das atividades econômicas, as perspectivas de crescimento para o setor com a vacinação da população cearense continuam positivas.

“Setores significativos em participação do valor adicionado e do emprego no Estado deverão ter um desempenho econômico ainda melhor, como têxtil, calçados, máquinas e materiais elétricos e confecção. Além disso, há a recuperação do setor exportador, com resultados promissores do setor metalúrgico, principal ator exportador do Ceará, equipamentos elétricos e couro e calçados”.

Laís Veloso, especialista de Inteligência Competitiva do Observatório da Indústria da Fiec

Serviços e agropecuária

Enquanto o setor industrial cresceu, o setor de serviços teve uma queda de 0,51% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Nicolino Trompieri destaca que o segmento ainda não conseguiu ter essa retomada que a indústria apresentou por depender bastante da circulação das pessoas. “O que a gente percebeu é que atividades como alojamento e alimentação, por exemplo, precisam acompanhar o movimento da vacinação”, analisa. 

Apesar de o setor ter conseguido se adaptar melhor às compras online, o que ajudou no fluxo do comércio de modo geral, as atividades de alojamento e alimentação ainda sofrem com as restrições provocadas pela pandemia. Já o setor Agropecuário teve alta de 1,80%, número que pode ser associado ao fato do segmento não ter sofrido fortes restrições, além do aumento da demanda por alimentação. 

Novas previsões do PIB cearense

O Ipece apresentou ainda a previsão de crescimento do PIB do Ceará para 2021, elaborada agora em junho, com número atualizado de 5,77%. De acordo com o Instituto, esse resultado foi superior à previsão apresentada em março sobre o que era esperado para o PIB estadual. Já a expectativa para o Estado continua acima do PIB projetado para economia brasileira, com taxa de 4,85%.

De acordo com o Ipece, a projeção é atualizada a cada trimestre, em conjunto com a divulgação dos resultados do PIB trimestral. Os modelos consideram um cenário de referência com projeções relativas a 2021 para a economia nacional, os grandes setores da economia e outras variáveis, como a taxa de juros, a taxa de câmbio, a inflação e a taxa de desemprego.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter