PPPs e equilíbrio fiscal abrem oportunidades de investimento no Ceará

Por: Gildemir da Silva (Especialista TrendsCE)* | Em:
Tags:, ,

Várias unidades federativas encontram-se em dificuldades fiscais e buscam por eficiência para a ampliação da oferta de bens e serviços com a participação de entes privados em forma de concessão ou de PPPs (Parceria Público-Privada). Esta última, constitui um instrumento consolidado em vários países para viabilizar projetos de infraestrutura e provimento de serviços em diversas áreas: transportes, saneamento, energia elétrica, telecomunicações, escolas, hospitais, presídios e outros.

Uma PPP tem características destacadas no texto: “Nova lei para concessões e parcerias: lições para um programa de PPP cearense assertivo”. Contudo, há um consenso nas pesquisas nesta área que países com equilíbrio fiscal foram os que tiveram projetos de PPPs exitosos.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


No Brasil, o marco legal da Parceria Público-Privada ocorreu com a edição da Lei Federal 11.079/2004 que instituiu normas gerais para licitação e contratação de parcerias público-privadas no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. A “Parceria Público-Privada é o contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa” (art. 2º, caput, Lei 11.079/2004). Passaram a existir três tipos de concessão de serviços: a comum, regulada pela Lei 8.987/95, a patrocinada e a administrativa, conforme Lei 11.079/2004.

Entres tais formas de concessão há diferenças marcantes quanto (a) aos riscos repartidos com o parceiro público, (b) às garantias que o poder público presta ao parceiro privado e ao financiador do projeto, e (c) ao compartilhamento entre os parceiros de ganhos econômicos decorrentes da redução do risco de crédito dos financiamentos utilizados pelo parceiro privado. A legislação brasileira segue a cartilha internacional com destaque para a alocação e partilha dos riscos dos projetos alinhando apontando para a necessidade de equilíbrio fiscal, pois o desequilíbrio nas contas pode comprometer o cumprimento dos compromissos assumidos em uma PPP.

Eis que temos um paradoxo econômico: estados com problemas fiscais precisam melhorar a eficiência de serviços públicos e as PPPs são uma boa solução para ampliar a eficiência de serviços públicos, contudo, para uma PPP exitosa, preciso de equilíbrio fiscal.

Ceará lidera Indicador de Capacidade de Investimento – Solidez Fiscal (2019)

Fonte: Ranking de Competividade dos Estados

Olhando para o Estado do Ceará tem-se um investimento intenso e contínuo em infraestrutura, destacado no texto: “Ceará obteve de 2008 a 2018 o 4º maior volume acumulado de investimentos do país: o que está por trás desse resultado?” e destaques para a situação fiscal dos municípios em “Situação Fiscal nos Municípios Cearenses ante a PEC Emergencial” . Além disso, observa-se o Estado com grande potencial competitivo conforme “ranking da competitividade” com indicadores de solidez fiscal, eficiência de máquina e educação em destaque quando comparado aos pares do nordeste e de outras regiões do Brasil.

Notas dos pilares do Ceará no Ranking de Competitividade

O Programa Estadual de Concessões e Parcerias Público-Privadas do Estado do Ceará foi lançado em 2016 com inserção ao longo dos anos de novos projetos. São projetos prioritários de grande vulto com impactos econômicos e sociais relevantes para o Estado e potencial para desenvolver alianças com o setor privado. Parte destes projetos já tiveram a fase de obra finalizada, portanto, dirimindo um dos riscos para investidores: o da construção.

Então, deixo a dica aos investidores que ponderem o risco do Estado e de construção nas suas decisões quando compararem investimentos em PPPs. O Ceará tem: solidez fiscal, investimentos continuados e infraestruturas desenvolvidas esperando por parceiros que queiram aproveitar dos retornos propiciados por estes empreendimentos, combinado com um mercado de consumo em crescimento, particularmente o de serviços.

* Pesquisador em Economia dos Transportes e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC)

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter