Uma nova economia, baseada em modelos de negócio ou gestão que tem o conhecimento, criatividade ou capital intelectual como principais ativos, vem crescendo e se consolidando em todo o mundo. De acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), a economia criativa engloba atividades relacionadas a quatro eixos: patrimônio, artes, mídia […]

Projeto busca fortalecer a Economia Criativa na Região Nordeste

Por: Conteúdo de marca | Em:
Tags:, ,

Uma nova economia, baseada em modelos de negócio ou gestão que tem o conhecimento, criatividade ou capital intelectual como principais ativos, vem crescendo e se consolidando em todo o mundo. De acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), a economia criativa engloba atividades relacionadas a quatro eixos: patrimônio, artes, mídia e criações funcionais.

Nestes eixos, estão inseridas as Expressões Culturais Tradicionais (artesanatos, festivais e celebrações), Sítios Culturais (sítios arqueológicos, museus, bibliotecas), Artes Visuais (pinturas, esculturas, fotografias), Artes Dramáticas (música, teatro, dança, ópera, circo, marionetes), Publicidade e Mídia Impressa (livros, imprensa e publicações), Audiovisual (cinema, televisão, rádios), Design (de interiores, de gráfico, moda, jóias e brinquedos), Novas Mídias (softwares, jogos e conteúdo digital) e Serviços Criativos (arquitetura, propaganda, P&D, cultura e recreação).


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


No Brasil, o Mapeamento da Indústria Criativa elaborado pela Firjan em 2017, apontou que as atividades ligadas à Economia Criativa foram responsáveis pela geração de riquezas da ordem de R$ 171,5 bilhões. Esta cifra é comparável ao valor de mercado da sexta marca mais valiosa do mundo, a Samsung, ou à soma de quatro das maiores instituições financeiras globais (American Express, J. P. Morgan, AXA e Goldman Sachs). O mesmo estudo também apontava em 2017 um total de 837.206 profissionais formalmente empregados em atividades ligadas a economia criativa.

Neste cenário, a região Nordeste, berço de importantes manifestações culturais e de diversos profissionais que tem na criatividade a sua principal ferramenta de trabalho, tem um enorme potencial ainda a ser desenvolvido. Acreditando nisso, as unidades estaduais dos nove estados nordestinos, juntamente com a Associação Brasileira dos Sebraes Estaduais/Nordeste (Abase Nordeste) e Sebrae Nacional, estão colocando em práticas diversas ações que visam promover o fortalecimento dos negócios criativos da região, contribuindo para a geração de emprego e renda no território. A iniciativa que tem o nome de Projeto Regional Nordeste da Cadeia de Valor da Economia Criativa, envolve a realização de diversas atividades, como a oferta de capacitações, consultorias, mapeamento do setor, editais de apoio aos negócios criativos e a realização de eventos ligados a temática.

Para o superintendente do Sebrae/CE e coordenador do projeto regional, Joaquim Cartaxo, a ideia de reunir os Sebraes em torno da temática da economia criativa se dá pelo seu caráter inovador e pelo seu potencial de dinamizar a economia local e regional.

“A economia criativa estabelece conexões entre cultura, criatividade, inovação, tecnologia e sustentabilidade com base na valorização da diversidade cultural. Além disso, contribui com a percepção da sustentabilidade como fator de desenvolvimento local e regional, na inovação como vetor de desenvolvimento da cultura e das expressões de vanguarda e na inclusão produtiva para economia cooperativa e solidária”.

Segundo Cartaxo, o Projeto Regional Nordeste da Cadeia de Valor da Economia Criativa busca justamente aproveitar este enorme potencial e tentar por meio de uma ação articulada do Sebrae em toda a região dar suporte a este desenvolvimento. “Nós temos muitas pessoas que desempenham atividades criativas, mas que precisam transformar este dom em negócio e isso exige alguns conhecimentos em outras áreas, como mercado, gestão, finanças, marketing, melhoria dos produtos e serviços, organização, que é onde o Sebrae pode dar uma contribuição significativa”.

Mapeamento

Uma destas ações que visa fomentar o desenvolvimento dos negócios criativos da região é a realização do Mapeamento Sebrae de Economia Criativa do Nordeste. Em parceria com o Impacta Nordeste, com busca e seleção da plataforma Pipe.Social, o Sebrae está tentando fazer um verdadeiro raio-x dos negócios criativos existentes no território, bem como identificar os principais desafios e oportunidades dos empreendedores que atuam nas áreas do patrimônio, artes, mídia e criações funcionais.

Este levantamento, que vai até o dia 8 de outubro, também ajudará o Sebrae no desenvolvimento de novas soluções voltadas para apoiar os empreendedores da Economia Criativa nordestinos.

Podem participar da pesquisa, pessoas físicas, microempreendedores Individuais (MEI), microempresas e empresas de pequeno porte que atuam nas áreas dos quatro eixos da economia criativa e estejam sediadas na região. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pelo site.

Além de contribuir com a elaboração desta radiografia do setor, os participantes ainda concorrem a uma premiação no valor de R$ 2 mil, a capacitações promovidas pelo Sebrae e poderão integrar a Rede Sebrae de criativos do Nordeste, que será criada após o mapeamento.

Festival Nordestino

Outra importante iniciativa no contexto do Projeto Regional é a realização do Festival Nordestino de Economia Criativa. Com a temática “Presente do Futuro”, o evento organizado pelo Sebrae/CE tem o objetivo de propiciar aprendizado, troca de informações e aprofundamento do conhecimento sobre a importância da cultura local como fonte de criação, fruição e desenvolvimento dos negócios criativos nos nove estados da região.

Durante os 28, 29 e 30 de setembro, o Festival apresentará uma rica programação online, com a realização de palestras, rodas de conversa, oficinas de capacitação, exposição de casos de sucesso e apresentações culturais. O evento também contará com uma mostra de negócios criativos com empreendedores selecionados por meio de edital público.

A Economia Criativa

Patrimônio

  • Expressões culturais: artesanatos, festivais e celebrações
  • Sítios culturais: sítios arqueológicos, museus, bibliotecas

Artes

  • Artes Visuais: pinturas, esculturas, fotografias
  • Artes Dramáticas: música, teatro, dança, ópera, circo, marionetes

Mídias

  • Publicidade e Mídia Impressa: livros, imprensa e publicações
  • Audiovisual: cinema, televisão, rádios

Criações funcionais

  • Design: de interiores, de gráfico, moda, jóias e brinquedos
  • Novas Mídias: softwares, jogos e conteúdo digital
  • Serviços Criativos: arquitetura, propaganda, P&D, cultura e recreação

Serviço

Festival Nordestino de Economia Criativa

Data:28 a 30 de setembro

Mais informações

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter