Com as limitações impostas pela pandemia da Covid-19, muitas empresas, dos mais variados portes, precisaram reinventar produtos e processos para sobreviverem a uma realidade onde o distanciamento social virou regra. Neste cenário, a transformação digital, que ocorria paulatinamente no setor produtivo, teve seu ritmo acelerado e ganhou prioridade em grandes cadeias, como é o caso […]

Transformação digital ganha espaço na indústria do Ceará

Por: Áquila Leite | Em:
Tags:, , , ,

Com as limitações impostas pela pandemia da Covid-19, muitas empresas, dos mais variados portes, precisaram reinventar produtos e processos para sobreviverem a uma realidade onde o distanciamento social virou regra. Neste cenário, a transformação digital, que ocorria paulatinamente no setor produtivo, teve seu ritmo acelerado e ganhou prioridade em grandes cadeias, como é o caso da indústria cearense, que tende a investir mais em tecnologia e inovação.

Conforme a edição mais recente da pesquisa Bússola da Inovação, elaborada pela Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), entre 2018 e 2019, muito antes de a pandemia surgir para o mundo, a indústria do Estado já apostava em iniciativas de adoção de novas tecnologias para seguir se desenvolvendo. Segundo o estudo, 69% das empresas do setor aplicaram práticas inovadoras em melhoria de produto, enquanto 57% aperfeiçoaram o processo produtivo.

Para Raphael Campos, assessor especial da diretoria da Fiec, com as mudanças desencadeadas pela pandemia, os investimentos em novas tecnologias e inovação devem se tornar ainda mais frequentes entre as empresas do setor. “A transformação digital emergiu como uma alternativa para superar este momento em que a mobilidade e os negócios presenciais foram comprometidos. Ainda há muito a ser explorado e desenvolvido, portanto a tendência é de evolução”, diz.

Raphael explica que a transformação digital, que pode ser definida como um fenômeno de incorporação da tecnologia na solução de problemas, é dividida em três etapas. A primeira delas, segundo ele, é a apropriação e o uso de tecnologias mais básicas já disponíveis, mas que antes não eram utilizadas por questões culturais. “As reuniões digitais, o home office e outras ferramentas digitais são possibilidade gratuitas que não tinham a atenção devida”, explica.


Quer receber os conteúdos da TrendsCE no seu smartphone?
Acesse o nosso Whatsapp e dê um oi para a gente.


A segunda etapa, aponta Raphael, exige um volume maior de investimento e corresponde a aplicativos e softwares que otimizam processos e reduzem custos. Caso sejam aplicadas corretamente, essas tecnologias podem levar as empresas à terceira etapa, que envolve automação, inteligência artificial e a chamada indústria 4.0, algo ainda pouco praticado no Ceará e no Brasil como um todo, mas que deve ser desenvolvido mais fortemente no pós-crise.

“A Federação (Fiec) fez uma pesquisa com mais de 200 empresas e, dessas, 70% apontaram as novas tecnologias como forma de solucionar os dilemas trazidos pela crise. Mesmo que elas não estejam necessariamente aplicando essas ferramentas no momento, isso revela uma consciência de que é preciso inovar”, afirma Raphael Campos.

De acordo com a pesquisa Bússola da Inovação, 14% das empresas que compõem o setor industrial cearense já destinavam, entre 2018 e 2019, mais de 10% do faturamento ao desenvolvimento de inovações. Com a crise e a transformação digital, a tendência é que este índice suba consideravelmente.

Fomento à inovação

Com o objetivo de fomentar praticas inovadoras e orientar empresas do setor, a Fiec promove, a partir desta terça-feira, 4, o I Fórum de Transformação Digital, evento totalmente online que abordará os desafios e oportunidades para a indústria cearense no período pós-crise. Ao todo, serão 11 painéis com especialistas que abordarão temas como indústria 4.0, inteligência artificial, ciência de dados, aprendizagem de máquina, big data e internet das coisas.

Um dos palestrantes do evento, Rizzo Hahn, CEO da Pollux, uma das maiores empresas de robótica do Brasil, afirma que a transformação digital é uma importante aliada para que as empresas consigam coletar dados em tempo real e analisá-los para garantir uma produtividade promissora no pós-crise. “O potencial da aplicação da robótica nas empresas é transformador. Quem não avançar nessa direção, em pouco tempo não vai conseguir competir”, diz Hahn, que também é presidente da Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII).

Para Rizzo Hahn, um ponto que a crise da Covid-19 acabou acelerando foi a desmistificação de que investir em inovação e novas tecnologias seria um risco “desnecessário”. “Todo investimento tem seu risco, mas, no atual momento, a ação mais arriscada que uma empresa pode ter é ficar na inércia, não se mexer diante da crise”, comenta. Conforme o CEO da Pollux, muitas empresas já entenderam este conceito e colocaram a digitalização como pauta estratégica.

“O que precisamos, agora, é passar da discussão para a ação. A maior parte das empresas já colocou a inovação e a transformação digital em sua pauta estratégica, mas é preciso agir. Basta começar com uma equipe interna, entender as novas tecnologias e como elas se aplicam ao modelo de negócio daquela empresa. Esse é o primeiro passo para a implantação”, diz Rizzo Hahn.

O presidente da ABII lembra, ainda, que a chegada da internet 5G ao Brasil, algo que, segundo ele, está próximo de acontecer, também será uma grande diferencial competitivo para as empresas que souberem utilizá-la adequadamente.

“Muitas indústrias ainda estão colhendo dados com limitação de volume, pois precisam de mais velocidade. Com a chegada da 5G, isso será aperfeiçoado e, para quem já tem entendimento de armazenamento em nuvem e passou por transformação digital, o salto competitivo será gigantesco”, finaliza.

Micro e pequenas empresas

Apesar de contarem com menos capital de giro e capacidade de investimento, as micro e pequenas empresas também podem se beneficiar bastante das novas tecnologias e da tendência de transformação digital do mercado nacional, afirma Jeferson Martins, gerente executivo de manufatura da Totvs, uma das maiores empresas de tecnologias do Brasil. Segundo ele, a capacidade de rápida adaptação dos pequenos pode ser um grande diferencial na hora de inovar.  

“É preciso acabar com esse paradigma de que a tecnologia só é acessível às grandes empresas. Em muitos casos, mudanças simples, como a digitalização de processos, podem fazer uma grande diferença na produtividade, e o custo disso vem caindo. Atualmente, não é preciso investir absurdamente para se ter processos mais tecnológicos, quem demandam cada vez menos infraestrutura. Há soluções acessíveis para empresas de todos os portes”, diz Jeferson Martins. 

O gerente executivo da Totvs pondera, entretanto, que, para o desenvolvimento adequado das micro e pequenas empresas, é necessário que haja mais políticas públicas de financiamento, ainda mais num momento de pós-crise, onde esses negócios precisarão de forças para se reerguer. “Muitas necessitam de consultoria para implementar esses processos, então é preciso existir um suporte para que essas empresas tenham uma real capacidade de reação”, finaliza.

A tradução dos conteúdos é realizada automaticamente pelo Gtranslate.
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Top 5: Mais lidas

Cadastre-se em nossa newsletter